Porque Engordamos???

Em 98% dos casos a obesidade é do tipo poligênica e, para ser desenvolvida, é necessário uma interação entre predisposição genética e fatores externos. Segundo George Bray, “a genética carrega a arma e o ambiente aperta o gatilho”. Na maioria das vezes, portanto, é uma doença endócrino-metabólica crônica e heterogênea, com forte base genética, que se apresenta quando associada a fatores ambientais. Ela é multicausal, sendo decorrente de fatores genéticos e ambientais, dentre os quais destacam-se o desequilíbrio energético e perfil inflamatório da dieta. Apenas 2% dos casos de obesidade são do tipo monogênica, ou seja, independem de fatores externos e ocorrem por causa de mutações genéticas.

O alto teor de gordura saturada, gordura trans, ômega 06 e elevada quantidade de carboidratos simples favorecem esta resposta metabólica no organismo. Nas nossas células nós temos um receptor do tipo TLR que pode ser ativado na presença dessas substâncias e, quando isso ocorre ativa-se dentro da célula um fator de transcrição gênica que é o NFkappaB, altamente inflamatório. O NFkappaB estimula a produção de mediadores inflamatórios no organismo que, dentre outras conseqüências, favorece a liberação do cortisol, hormônio ligado diretamente ao acúmulo de gordura abdominal e envolvido em outras desordens metabólicas como, por exemplo, a resistência a insulina. Outras situações favorecem a liberação do cortisol: jejum prolongado, atividade física extenuante sem uma alimentação prévia adequada e, o stress. Portanto, estas três situações também servem de gatilho para a liberação do cortisol e, consequentemente, desenvolvimento da gordura visceral.

Além disso, quando consumimos altas concentrações de aditivos alimentares como corantes, acidulantes, conservantes, adoçantes sintéticos e agrotóxicos e toxinas como o bisfenol, presente no plástico, se não tivermos um fígado bem funcionante capaz de transformar essas substâncias estranhas em substâncias excretáveis, elas acabam sendo armazenadas nas células de gordura. Chegando lá, se ligam facilmente a um receptor chamado PPARgama que leva a diferenciação de pré-adipócitos a adipócitos, ou seja, favorece o aumento da capacidade de acúmulo de gordura. Antigamente acreditava-se que tínhamos uma quantidade pré-determinada de células adiposas que não podia ser modificada. Hoje, com a obesidade caracterizada como inflamação sub-clínica, tem-se a certeza que fatores externos podem estimular a multiplicação das células adiposas.

Todos estes fatores listados, além da inflamação no organismo, causam o estresse oxidativo, ou seja, favorecem a ação dos radicais livres no organismo. A inflamação sub-clínica anda de mãos dadas com o estresse oxidativo. Tanto que muitas das complicações da obesidade são decorrentes da ação dessas substâncias sobre as nossas estruturas celulares: os radicais livres reagem com nossas estruturas comprometendo as funções de nossas células. Portanto, precisamos de uma dieta antioxidante e anti-inflamatória!

Fonte: Siga Sua Dieta

Desinchar em 8 truques!

Que mulher nunca se sentiu inchada e acima do peso, mesmo sem exagerar no prato ou faltar à malhação? Na maioria das vezes, o motivo desse mal-estar é a famosa retenção de líquidos. A boa notícia é que com alguns truques simples e eficazes, você pode, enfim, combater esse incômodo!

1. Beba chá amarelo
Um estudo japonês revelou que o chá amarelo é riquíssimo em ácido gálico – três vezes mais que o verde e oito que o branco. “Esse componente protege o fígado dos efeitos nocivos das toxinas, geralmente presentes na poluição e até em alguns alimentos”, explica Ana Luísa Faller, nutricionista funcional da Soul Nutrition Consultoria em Nutrição, do Rio de Janeiro. Além disso, o ácido gálico estimula a produção de enzimas hepáticas, que mantêm as substâncias inimigas longe. Com isso, combate a retenção de líquidos e facilita a perda de peso.

2. Tire o saleiro da mesa
Manter o saleiro longe da mesa na hora das refeições ajuda você a não abusar do sódio, que é uma das causas da retenção de líquidos. Para que a comida não fique sem graça, substitua o sal por limão e ervas como orégano, manjericão e hortelã.

3. Aposte no chá de hibisco
O chá de hibisco estimula a queima de gordura corporal, facilita a digestão, regulariza o intestino e combate a retenção de líquido. Além disso, não é amargo: tem sabor parecido com o da framboesa!

4. Mexa-se durante o dia
Se você passa muito tempo sentada, levante-se a cada hora e dê uma volta – vale abastecer a garrafinha de água durante o passeio. Na cadeira, suba e desça os calcanhares mantendo a ponta dos pés no chão e gire os tornozelos.

5. Invista na ginástica
Os exercícios físicos também são ótimos aliados na luta contra o inchaço. A malhação estimula a circulação e o fluxo de líquidos e nutrientes pelo corpo, o que evita a formação de edemas.

6. Que tal uma autodrenagem?
Todo mundo já sabe que a drenagem é uma ótima arma para combater a retenção de líquidos, certo? Mas, se você não pode investir nesse método por enquanto, que tal apostar na autodrenagem? Confira o passo a passo: 1. Sentada, deslize algumas vezes as mãos umedecidas em creme do tornozelo até o joelho. 2. Em pé, repita várias vezes o mesmo movimento do joelho até a virilha, dando atenção especial à parte interna da coxa. 3. Com um braço estendido à frente, escorregue a mão oposta aberta desde o cotovelo até a axila, passando por toda a circunferência do braço. 4. Deslize as mãos (uma sobre a outra) fazendo círculos pequenos em sentido horário em torno do umbigo. Faça a massagem após o banho.

7. Água: aliada poderosa
Não é à toa que os especialistas recomendam o consumo de, no mínimo, 2 litros de água por dia: na quantidade certa, ela mantém a hidratação, garante seu organismo em pleno funcionamento e combate a retenção de líquidos. Quanto mais água você bebe, maior o volume de sangue. Com isso, as células ficam mais irrigadas e o organismo não retém sódio.

8. Alimentos que desincham
Uma alimentação equilibrada é ideal para manter a saúde e a forma em dia. No entanto, existem alguns alimentos específicos que podem ajudar você a afinar e desinchar, acabando com a retenção de líquidos.

Fonte: Revista Boa Forma

25 Maneiras de queimar calorias!

Comer demais é uma tendência que vem crescendo entre os brasileiros. O dado é de uma pesquisa
da Organização Mundial de Saúde (OMS) que revelou: estamos consumindo cerca de 100 calorias a mais por dia em comparação há oito anos. O nutrólogo José Golbspan, de Porto Alegre, calculou o estrago na balança a longo prazo. “São 700 calorias a mais por semana. Em um ano, esse total representa 4,8 quilos a mais no peso.” E vai piorar. “A estimativa é de que, daqui a 20 anos, as pessoas estejam consumindo mil calorias excedentes por dia”, a rmou a pesquisadora Claudia Stéfani Marcílio, no II Simpósio Internacional de Nutrição Unilever, em São Paulo. Ok, 2030 está longe. Mas por que não começar hoje a estimular o metabolismo? Há várias medidas para isso. Aqui, você também encontra estratégias para segurar o apetite, reduzindo o consumo de calorias. Ânimo! É fácil colocá-las em prática!

1. Durma bem

Passar a noite em claro estimula a produção de grelina – hormônio que aumenta a fome e os estoques de gordura. Uma pesquisa da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, revelou que dormir pouco traz outro prejuízo: reduz o ritmo do metabolismo. “Quando você dorme mal, o organismo entende que precisa economizar energia”, diz a nutricionista Márcia Curzio, do Rio de Janeiro.

2. Turbine os músculos

Quanto mais massa magra tem no corpo, mais você gasta calorias para mantê-la. Segundo o nutrólogo Durval Ribas Filho, presidente da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran), os músculos consomem até 30% mais calorias que o tecido adiposo. Isso deixa o metabolismo esperto. E você mais enxuta e definida.

3. Invista num café da manhã proteico

Todo mundo sabe que essa refeição é importante para despertar o metabolismo. Um estudo publicado na conceituada revista americana The Journal of Obesity não só con rmou esse efeito como mostrou que a presença de proteína (ovo, queijo, leite) no café da manhã acelera mais a queima de calorias. E ainda diminui o tamanho da fome ao longo do dia.

4. Masque chiclete

Sem açúcar, claro. E nos momentos em que estiver tentada a comer um doce fora de hora. O chiclete também evita que você que beliscando enquanto cozinha. Além disso, a mastigação consome entre 10 a 15 calorias em meia hora. Mas evite ficar com o chiclete na boca por muito tempo, especialmente se você tiver o estômago sensível.

5. Beba mais água

Ela emagrece de maneira direta e indireta. Vamos à primeira, recém-comprovada por um estudo do Instituto de Pesquisa Oakland, na Califórnia. Beber água antes das refeições estimula o centro de saciedade. Esse mecanismo representa uma economia no consumo de calorias: entre 70 e 90 por dia. A água também participa de reações químicas que levam à queima de gordura e à eliminação de sódio, responsável pela retenção líquida.

6. Mexa-se

Levante mais vezes da cadeira, use a escada no lugar do elevador… “Realizadas com frequência, essas atividades fazem você gastar de 300 a 500 calorias a mais por dia”, diz o personal trainer Rodrigo de Freitas, da Academia Competition, em São Paulo.

7. Vá para a cozinha

Lavar e descascar os alimentos estimula a sensação de saciedade. Portanto, quando prepara a própria comida, você tende a comer menos. Outra vantagem: “Cozinhar queima calorias”, completa Fernanda Pisciolaro, nutricionista da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso).

8. Converse e ande

Sempre que falar ao celular, caminhe. A queima de calorias pode ser mínima. Mas é melhor do que ficar parada e não gastar nada.

9. Corte o açúcar

Ele não oferece nenhum nutriente e tem 4 calorias em 1 grama. Ou seja, só engorda. Pior: assim que é consumido, faz o organismo produzir muita insulina. “Esse hormônio favorece o estoque de gordura e estimula o apetite”, explica Cláudia Cozer, endocrinologista de São Paulo.

10. Consuma salmão

Por ser rico em ômega 3, ele ajuda a reduzir a ansiedade. O que isso tem a ver com calorias? Sob tensão, o organismo produz uma quantidade maior de cortisona. “Em excesso, esse hormônio rouba energia das células e deixa o organismo faminto, especialmente por alimentos calóricos, como pão, massa e doce”, diz o nutrólogo José Golbspan. O ômega 3 faz mais pelas medidas da cintura: desinflama as células e eleva os níveis de serotonina, controlando o apetite. Outras boas fontes: atum, sardinha e linhaça.

11. Inclua queijo na sobremesa

Consumido no fim da refeição, esse alimento aumenta a capacidade do organismo de queimar gordura. O mérito é do ácido linoleico conjugado (CLA) presente no queijo, segundo estudo do Centro de Pesquisa de Alimentos

12. Capricha nas fibras

Uma pesquisa publicada na revista cientí ca americana Journal of Clinical Nutrition mostrou que essas substâncias são capazes de reduzir o peso total e a nar a circunferência da cintura por mais de um motivo. Dão saciedade, retardam o esvaziamento gástrico, seguram o índice glicêmico, varrem as toxinas e estimulam o funcionamento do intestino. Consuma entre 25 e 35 gramas de fibra por dia.

13. Comece o treino pela musculação

O exercício localizado usa o glicogênio estocado no músculo como fonte de energia. “Isso obriga o organismo a acionar os estoques de gordura no exercício aeróbico”, explica Rodrigo de Freitas. É por isso que malhar nessa sequência traz resultado mais rápido na balança.

14. Faça sexo!

Queima cerca de 250 calorias em meia hora. Além disso, aumenta a circulação sanguínea e libera endorfina, hormônio responsável pela sensação de prazer e bem-estar.

15. Acelera o passo

Percorra os trajetos que você faz à pé no dia a dia como se estivesse atrasada para uma reunião. Andar rápido potencializa o consumo de calorias, até nos percursos pequenos.

16. Alimente-se antes de malhar

Quando você treina de barriga vazia, queima músculos e poupa gordura. Não é esse seu objetivo, certo? Por isso, coma uma fatia de pão com geleia, biscoito ou fruta, alimentos que oferecem energia rápida. Assim, você também garante disposição para uma aula puxada, queimando mais calorias.

17. Escove o cabelo

No lugar de ir ao salão faça sua própria escova. Você economiza grana e gasta calorias. “Meia hora escovando um cabelo médio queima em torno de 75 calorias”, a rma Roberta Estella, nutricionista de São Paulo.

18. Tome leite!

É um alimento com alto teor de cálcio, mineral que estimula a queima de gordura, afirma um estudo do Instituto de Nutrição da Universidade do Tennessee, nos Estados Unidos. Mas que atenta às reações do seu organismo: “Digestão difícil, gases e barriga inchada são sinais de alergia à proteína do leite. Esse processo desencadeia inflamação nas células, resultando em peso extra”, avisa a nutricionista Eliane Tagliari, da Clínica Nutribioforma, em Curitiba. Alternativa: aposte no cálcio vindo dos vegetais como couve, brócolis e gergelim.

19. Aposte na vitamina D

Facilita a ação do cálcio. Além disso, reduz os níveis de radicais livres – moléculas que deixam as células inflamadas e propensas a acumular gordura. Peixe, ovo e leite são boas fontes. Você também precisa se expor 15 minutos ao sol para que a vitamina D se fixe no organismo.

20. Coma amêndoa

Um punhado pequeno (30 gramas) por dia ajuda a enxugar gordura. De acordo com uma pesquisa publicada na revista americana International Journal of Obesity, voluntários que comeram essa oleaginosa por seis meses secaram 18% da gordura corporal diante de 11% dos que não consumiram.

21. Dê mais risada

Quem ri 15 minutos por dia, se livra de pelo menos 40 calorias, segundo um estudo da Universidade Vanderbilt, nos Estados Unidos. Em um ano, a demonstração diária de alegria pode resultar em 2 quilos a menos na balança. Já está rindo à toa?

22. Aproveite a casca

É a parte das frutas e legumes que oferece mais fibras – substâncias que fazem o organismo gastar mais energia no processo de disgestão. Mais: “A casca concentra uma boa dose de substâncias anti-inflamatórias e antioxidantes”, diz Bettina Moritz, nutricionista de Florianópolis.

23. Saia do sofá

Reduzir o tempo em frente à televisão pela metade faz você gastar mais energia ao longo do dia, segundo uma pesquisa da Universidade de Wermont, nos Estados Unidos. Isso porque sobra mais tempo para você andar ou praticar qualquer outra atividade. O mesmo vale para o computador.

24. Cozinhe com óleo de coco

Ele emagrece! De acordo com um estudo da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, voluntários que incluíram esse ingrediente na dieta perderam gordura, especialmente na barriga. “O óleo de coco tem ácido graxo láurico – tipo de gordura que facilita a queima de gordura”, diz a nutri-
cionista Fernanda Pisciolaro. Use-o nas receitas em substituição à manteiga ou margarina. Também ca bom batido no suco ou iogurte. Acredite!

25. Vire fã de café

Por ser rico em cafeína – substância com poder termogênico –, eleva a temperatura do organismo e, com isso, acelera o metabolismo. A medida considerada saudável: três xícaras por dia. Sem açúcar, é claro.

Fonte: Revista Boa Forma

A jovem de 250 kg!

Aos 17 anos de idade, Georgia Davis é conhecida como a adolescente mais gorda da Grã-Bretanha, ultrapassando a marca dos 250 quilos.

Cerca de dois anos atrás, ela foi notícia porque conseguiu perder quase metade de seu peso em um programa de emagrecimento nos Estados Unidos.

Quando chegou à Wellspring Academies, na Carolina do Norte, em 2008, ela tinha 15 anos e pesava 210 quilos. Quando saiu de lá, nove meses depois, ela havia perdido 89 quilos.

Mas de volta à sua cidade natal, Aberdare, no País de Gales, ela recuperou todo o peso e ganhou ainda mais, voltando a aparecer nos jornais, desta vez por bater recordes de obesidade.

‘Vício’
Em entrevista à BBC, Davis disse ser ‘viciada em comida’ e atribuiu o fracasso em continuar emagrecendo ao fato de que ela foi colocada de volta no ‘ambiente negativo’ de sua casa, onde ela tem que enfrentar vários problemas e lembranças difíceis.

Muitos culparam sua mãe pelo deslize, já que a adolescente foi recebida com um prato de peixe empanado com batatas fritas quando voltou dos Estados Unidos.

Mas o porta-voz da ONG britânica National Obesity Forum, Tam Fry, acha que a própria Georgia deveria se preocupar com seu futuro.

‘Ela foi um pouco negligente, porque aos 16 ou 17 anos já deveria ser capaz de preparar sua comida e de se esforçar para se exercitar. Em vez disso, ela se desconcentrou e voltou para seus velhos hábitos. É uma pena’, afirma ele.

Especialistas dizem que se continuar nesse ritmo Georgia não vai chegar aos 21 anos de idade, já que seu coração, suas articulações e seu sistema circulatório estão sob enorme pressão.

Dificuldades em casa
Davis diz que seu problema com o peso começou depois que seu pai morreu, quando ela tinha cinco anos de idade. A partir daí, a comida passou a ser sua fonte de conforto.

‘Eu comia de tudo, qualquer tipo de comida’, disse ela em entrevista à BBC.
Pão, leite, coca-cola, batatas fritas, biscoitos de chocolate e bolos eram seus favoritos.

‘A comida fazia eu me sentir melhor por um minuto ou dois, mas aí me sentia mal novamente e comia novamente e assim por diante’, disse Davis.
‘Eu comia praticamente o dia todo.’

Durante o período que passou na Wellspring Academies com uma bolsa oferecida pela instituição – um internato que oferece educação escolar, além de um programa de dieta e exercícios complementado com sessões de terapia cognitiva comportamental – seu consumo de calorias teria caído de 13 mil por dia para cerca 1,2 mil.

‘Eu fui tirada do ambiente em que eu vivia, onde tinha todos esses problemas, e fui colocada em um lugar novo (a Wellspring Academies), onde não tinha que lidar com nada daquilo. Tudo era feito para mim, eu só precisava pegar aquilo e usar para meu benefício’, disse Davis à BBC.

‘Mas aí fui tirada dos Estados Unidos e colocada de volta naquele ambiente onde tinha todos aqueles problemas e aquelas lembranças. Isso sem nenhum treinamento sobre como lidar com isso em casa. Acho que essa foi a principal razão de eu ter voltado para o jeito que eu era antes.’

Quando começou a engordar de novo, Davis ficou deprimida, o que segundo ela a fazia comer ainda mais.

Agora, pesando 254 quilos, Davis conseguiu o apoio de uma equipe de nutricionistas e especialistas em exercício no País de Gales, além de estar usando técnicas de hipnoterapia e relaxamento para tentar voltar a emagrecer.

Fonte: Fica Antenado!

Como Emagrecer Correndo?

Você está querendo perder aquelas dobrinhas indesejáveis na cintura e pensa que correr pode ser um bom caminho para atingir o seu objetivo – isso mesmo! Correr não é apenas uma maneira saudável de emagrecer como também é a mais popular. E aliada a uma dieta saudável a corrida pode ser realmente eficiente quando se trata de perder peso.

A melhor coisa sobre a corrida é que é fácil praticá-la. Você não precisa de nenhum equipamento especial e pode correr em qualquer lugar e a qualquer momento.

Falando superficialmente, para perder peso é preciso gastar mais calorias do que se consome. Calorias são uma unidade de calor e são a fonte de energia de seu corpo. Quando você come, além de ingerir vitaminas e nutrientes, você também está obtendo calorias e fornecendo energia para o seu corpo.

O seu corpo utiliza a maioria das calorias que você ingere por dia para funcionar – e aqui estamos falando da respiração, circulação sanguínea, piscar, andar, falar e assim por diante. As calorias extras são então armazenadas no seu corpo como gordura (forma que seu corpo possui de guardar essa energia para o dia seguinte). Cerca de 3.500 calorias extras equivalem a 450 g a mais de gordura no seu corpo. E isso quer dizer também então que para perder essas 450 g é preciso queimar 3.500 calorias a mais do que você está acostumada a fazer. Resumidamente falando, isso quer dizer que quanto mais calorias você ingerir, maior a energia que precisará gastar para se livrar delas (para que elas não se transformem em gordura).

Então, onde é que a corrida se encaixa no meio de tudo isso, e ela realmente ajuda a emagrecer?

Emagrecer não acontece de uma hora para outra e pode durar semanas e até meses para que você comece a notar alguma diferença em seu corpo. E se você combinar a corrida com uma dieta saudável de baixa calorias e menor consumo de gordura saturada, é certo que os resultados aparecerão mais cedo. Ao ganhar músculos com a prática de exercícios o seu corpo passará naturalmente a queimar mais calorias do que antes já que um corpo mais musculoso queima mais calorias o tempo todo, não apenas quando você está correndo [fonte: Mayo Clinic].

O mais triste sobre a corrida – e os exercícios em geral – é que se você continuar a fazer a mesma quantidade de exercício todos os dias, o seu corpo se adaptará e precisará cada vez de menos energia para realizar determinado trabalho. Por exemplo, se você corre a mesma distância na mesma velocidade todos os dias é muito provável que queimará cada vez menos calorias do que costumava queimar no início. Para que isso não aconteça é preciso aumentar a intensidade, velocidade e duração do treino.

Planos de corrida para emagrecer

Outros benefícios da corrida

É sabido que a corrida trás inúmeros benefícios, mas a perda de peso é realmente o maior deles. Porém, todos os outros benefícios não devem ser descartados. Correr abaixa o colesterol, a pressão sanguínea e reduz o risco de morte por doença cardiovascular e estes são apenas alguns dos efeitos positivos de uma corrida diária [fonte: Berkeley Lab]. E você sabia que a atividade física também o faz feliz? Exercício intenso provoca a liberação de endorfina, substância que dá sensação de prazer.

O melhor plano de corrida para emagrecer começa gradualmente e aumenta a duração e intensidade com o passar do tempo. Começar devagar ajuda o seu corpo a se adaptar à nova rotina para que você não canse e mantenha-se motivado. Sentir-se esgotado logo no início pode se desencorajador e desistir porque o treino está muito puxado não é nada bom para a sua cinturinha.

Você vai correr com uma freqüência suficiente para que a corrida torne-se parte de sua rotina, mas não demais para que você desista de tudo rapidamente. Se você está apenas começando, experimente correr cerca de três vezes por semana. Mesmo que você só corra entre 10 e 15 minutos em cada sessão, o importante é que a corrida já está fazendo parte da sua rotina. A partir de então, aumente alguns poucos minutos por semana nos seus treinamentos.

Como mencionamos anteriormente, mudar ajuda o seu corpo a não se acostumar com o exercício. Uma forma de fazer isso é com intervalo de treinamento, ou alternando períodos de intensa atividade com períodos de atividades mais leves. No início, tente alternar entre andar e correr. Mais tarde, com o aumento da sua resistência, você pode alternar entre trotar e correr. Uma atividade física intensa queima bastante calorias, mesmo que seja por um curto período de tempo. Além disso, essa forma de treinar também evita que você se canse muito rápido.

Outra forma de não deixar que seu corpo caia na rotina é correr em uma subida. Os benefícios disso são fáceis de serem reconhecidos – se você já tentou andar ou correr em um local íngreme sabe que é muito mais difícil. E se é muito mais difícil vai acabar queimando mais calorias.

Por fim, seus hábitos alimentares precisam estar alinhados com seu plano de corrida. Só porque você começou a correr não significa que você pode comer o que quiser – se você estiver queimando mais calorias, mas também comendo mais, não irá emagrecer. Além disso, o seu corpo é a única máquina que você precisa para correr, então mantenha-o abastecido com os alimentos corretos e você verá a diferença na próxima vez que subir na balança.

Fonte: http://saude.hsw.uol.com.br/

A psicologia do emagrecimento

MEDO DA FOME

Fome é uma sensação indispensável à vida. Habitualmente quem precisa emagrecer tem medo de sentir fome e até come demais para evitar essa sensação. FOME NÃO É CATASTROFE. Para saber como enfrentá-la precisamos identificá-la e torná-la previsível .
NÃO TENHA MEDO DA FOME. Se quiser emagrecer tem que permitir que ela apareça e que tem que aprender a enfrentá-la. Não é um bicho de sete cabeças.
Você pode acostumar-se a sentir fome nas mesmas horas, tornando tais momentos previsíveis, estabele-cendo horários aproximados para suas refeições. Exemplo, café da manhã das 7:00 às 8:00 horas; lanche das 10:00 às 10,:0 horas, almoço das 12:30 às 13:00 e assim por diante. Não deixe intervalos maiores que 3 horas e meia entre as refeições.

QUANDO A FOME APARECE

Não tenha medo. “Ela” aparece e você irá verificar que ela não matará ninguém. Você irá saciá-la com o alimento pertinente, que você planejou antes e ingerida lenta e prazerosamente . Viu? Ela se foi !

PRAZER NA ALIMENTAÇÃO

Quem quer emagrecer TEM que fazê-lo prazerosamente. O objetivo é emagrecer e permanecer magro, o que requer mudança de hábito alimentar para toda a vida.

UM COMPORTAMENTO SÓ SE TORNA UM HÁBITO SE FOR AGRADAVEL, PRAZEROSO.

Lembre-se, você não faz dieta para perder algum peso por alguns meses! Faz uma reorientação alimentar para o resto da vida! Ela TEM que lhe dar prazer.
Mas vamos entender bem: O PRAZER É DEFINIDO PELO TEMPO em que a comida saborosa, colocada em pequenos bocados à boca, permanece em contato com a papila gustativa. É A QUALIDADE E NÃO A QUANTIDADE QUE DEFINE O PRAZER.

VOCÊ VAI COMER O NECESSÁRIO E SUFICIENTE PARA SACIAR A FOME

Existem maneiras de fazer com que menos alimento resulte em mais prazer e em saciedade. Quando você come ansiosa, nervosa, preocupada, não está comendo por prazer, mas para aliviar a tensão.
Quando você condiciona o comer a um estímulo interno do organismo o ato de comer voltará a ser regido dentro de um continuo fome – saciedade. Você seguirá as instruções e fará o controle do estímulo.
O objetivo do controle do estímulo é fazer com que apenas a fome regule o seu comer. Os outros estímulos (ansiedade, tensão, depressão, hábitos errôneos) serão isolados e tratados separadamente.

FOME RESOLVE-SE COM COMIDA. Ansiedade, ócio, preocupação, tristeza etc. NÃO!

 

Vamos propor outras soluções para emoções negativas!

COMA SE TIVER FOME! NÃO COMA SE ESTIVER ANSIOSA!

E A ANSIEDADE?

Esse VILÃO deverá ser identificado, o que é feito individualmente, e RECEBERÁ “TRATAMENTO ESPECIAL”. Só posso adiantar que ele não poderá receber comido…
Cada pessoa tem tipos diferentes de situações que provocam ansiedade e estabelece um tipo particular de conexão ansiedade – comida. Esta ligação deverá ser desfeita!

COMER COMPULSIVO

Muitas pessoas sabotam a própria dieta! Mesmo aquelas personalizadas, saborosas e adaptadas a seu estilo de vida e necessidades! Ia tudo bem! Aí vem um ataque de comer e… adeus dieta ! UM AUTÊNTICO ASSALTO Á GELADEIRA! Muita comida é ingerida em pouco tempo, na maioria das vezes sem prazer algum, movidas pela ANSIEDADE! Identificar os primeiros indícios do impulso de comer e EVITÁ-LO deverá ser um dos objetivos principais da abordagem psicológica!

VOCÊ QUER MESMO EMAGRECER?

Muitas pessoas tem um “beneficio” mantendo-se gordas e, o que é pior, não tem consciência disso! Querem e não querem emagrecer ao mesmo tempo!
Alguns justificam outros problemas seus mantendo-se gordos. Pessoas tímidas, com dificuldade de relacionamento social, pessoal, pessoas que não se relacionam com o sexo oposto, que tem dificuldades sexuais podem “esconder-se” atrás da obesidade, erguendo uma autêntica barreira entre elas e o mundo. Se estes e outros fatores que mantém uma obesidade não forem tratados o candidato a emagrecimento mais cedo ou mais tarde inviabilizará seus mais sinceros propósitos!

O CÍRCULO VICIOSO

Engordando ou mantendo-se gorda a pessoa restringe outros prazeres. Evita reuniões sociais, contatos, situações de afeto, esportes, vida sexual etc.
Sabe o que acontece? A comida cresce como principal e talvez única fonte de gratificação. A pessoa engorda mais, fecha-se mais na comida e está formado o círculo vicioso.

 

FONTE: http://www.tommaso.psc.br