Regime sem sofrimento!!!

Se perda de peso viesse em pílulas, os efeitos colaterais descritos na bula incluiriam “Pode causar mau humor” e “Alguns usuários experimentaram perda de amigos”. Afinal, isso é o que acontece quando você passa fome e foge dos eventos sociais para não cair em tentação. Esses efeitos colaterais são não apenas irritantes como sabotadores do regime. O Centers for Disease Control and Prevention, nos EUA, descobriu que pessoas que transformavam tais adversidades em desculpas eram 76% menos propensas a emagrecer do que aquelas que encontravam solução para os problemas. Aprenda a vencer a batalha contra esses inimigos da boa forma:


Perca peso, não amigos                                                                                                               Imagine estar num bar em que todos, sem exceção, tomam cerveja e lambuzam as mãos com frango à passarinho enquanto você bebe água com limão e come uma barrinha de cereal. Melhor ficar em casa, certo? Errado. Para Solange Saavedra, gerente técnica do Conselho Regional de Nutricionistas, de São Paulo, o excesso de rigidez pode ser prejudicial a longo prazo. “Em ocasiões especiais, como almoços em família, aniversários, casamentos e confraternizações com os amigos, você deve comer com prazer e sem culpa”, afirma. “Se algum quilinho extra aparecer, logo será perdido na volta aos hábitos normais de alimentação.”

Perca peso, não tempo
Num recente estudo americano, 41% das mulheres disseram não se alimentar direito por falta de tempo. Gastar 1 ou 2 horas nas compras no fim de semana e na cozinha para preparar os alimentos (picar legumes e verduras, fazer marinadas) vai não apenas economizar tempo como quilos a longo prazo. Uma pesquisa conduzida pelo Centers for Disease Control and Prevention descobriu que 40% das pessoas que perderam uma quantidade significativa de peso, e mantiveram as medidas, preparam um cardápio semanal. “Quando você não planeja as refeições, tende a ingerir qualquer coisa que estiver por perto, normalmente comidas hipercalóricas”, diz Elizabeth Ricanati, fundadora do Lifestyle 180 Program, da Clínica Cleveland, nos EUA.

Perca peso, não músculos
O desespero para afinar a silhueta é tamanho que você apostou todas as fichas na queima de calorias com exercícios aeróbicos — corrida na esteira duas vezes por semana, bike indoor três vezes e, para atenuar o impacto nas articulações, hidroginástica duas. A musculação, de uma vez por todas, ficou de lado. Mas, se quer perder peso sem atrelar a prática cardiovascular a exercícios de força, corre o risco de queimar os próprios músculos em vez da indesejada gordura. “Em comparação com a gordura, os músculos precisam de duas vezes mais energia para se manter”, afirma Donald Hensrud, professor de medicina preventiva da Faculdade de Medicina da Clínica Mayo, nos EUA. Faça musculação em forma de circuito, porque, além de enrijecer a musculatura e proteger as articulações das lesões, a modalidade aumenta a queima calórica. Para completar, invista no consumo de carboidratos e proteínas para recompor os músculos no pós-treino. A nutricionista Tarcila Beatriz Ferraz de Campos, mestre em ciências com ênfase em fisiologia endócrina pela USP, sugere sanduíche de peito de peru e queijo branco e suco de abacaxi; arroz com brócolis, filé grelhado e salada; pão sírio, rosbife e salada; ou torrada, requeijão light e suco de fruta.

Perca peso, não o bom humor
Quando você reduz o carboidrato da dieta, induz no corpo uma queda na produção de serotonina, substância ligada ao bem-estar. Resultado: humor de TPM o mês inteiro. Para não ganhar o troféu ranzinza no escritório, aposte em uma dieta balanceada. “Refeições desequilibradas, compostas somente de carboidratos refinados, por exemplo, deixam a taxa de açúcar no sangue flutuante, o que faz com que a mulher se irrite”, diz Caroline Apovian, diretora da nutrição do Boston Medical Center, nos EUA. Solange Saavedra recomenda a ingestão de grãos integrais, ricos em aminoácidos precursores da serotonina, a substância do bem-estar. “Vegetais de cor verde-escura também fornecem vitaminas do complexo B, que interagem com os neurotransmissores, espantando a sensação de desânimo”, afirma.

Perca peso, não o brilho do cabelo
Usar bons xampus e condicionadores, aparar as pontas e fazer tratamentos no salão não é o bastante para manter o brilho dos fios. “Os cardápios com poucas calorias são frequentemente deficientes em nutrientes”, diz Mariana. A máxima “A beleza vem de dentro”, neste caso, é mais do que verdadeira. Segundo a médica Elisabete Fernandes Almeida, com especialização pela Universidade Harvard, nos EUA, a solução para manter o cabelo bonito e com brilho é apostar em cinco nutrientes:

• Magnésio: é essencial na formação de proteínas como a queratina, que constitui os fios. Está presente em frutos do mar, abacate, melão, abacaxi, carambola e nozes.
• Cálcio: a falta dele causa cabelos finos e quebradiços. Devem fazer parte da dieta leite e derivados, tofu, salmão e sardinha.
• Sódio: ajuda no controle de água de dentro dos fios, dando brilho. Presente em frutos do mar, tomate, aipo e tofu.
• Potássio: mantém a flexibilidade e a hidratação do cabelo. É encontrado em carnes magras, banana, pepino, uva, amêndoa e semente de girassol.
• Zinco: dá força aos fios. Presente em carne, cogumelo, ovo, ostra e germe de trigo.

Perca peso, não a facilidade da digestão
Uma vez que o carboidrato está de volta à mesa (você aprendeu que não pode cortá-lo), é preciso atenção ao escolher o alimento fonte do nutriente. “Sempre opte pelas formas integrais, pois elas têm alto teor de fibras, vitaminas e minerais”, explica Mariana Klopfer, especializada em nutrição esportiva, metabolismo e qualidade de vida da Clínica Nutricius, em São Paulo. E por que os integrais são tão importantes em uma dieta? Pelo simples fato de que as fibras alimentares — termo técnico utilizado para denominar as partes dos vegetais que resistem ao processo de digestão — auxiliam a função intestinal, prevenindo a prisão de ventre. “Recomendo grãos integrais como parte de uma dieta saudável, já que também elevam o poder de saciedade”, diz Mariana. Seu prato ou lanche devem também estar sempre recheados de frutas, verduras, feijão, grãos integrais, além de peixes, aves e carnes magras.

 

Perca peso, não o café da manhã
Pular o desjejum para economizar calorias é uma das estratégias mais equivocadas que você pode cometer. “A primeira refeição do dia auxilia no suprimento energético fundamental ao bom desempenho físico e mental, especialmente quando não se realiza uma adequada reposição no jantar anterior”, afirma Letícia Azen Alves Coutinho, nutricionista do Rio de Janeiro e mestre em ciência da motricidade humana. “Em dietas, é importante não permitir que o organismo sinta fome. Portanto, vale a tradicional regra de comer de 3 em 3 horas”, diz Priscila Spiandorello, nutricionista funcional da Clínica Carla Albuquerque de Dermatologia, em São Paulo. Priscila recomenda quatro opções de café da manhã:

1 •
omelete de 2 ovos com 1 fatia de peito de peru light e 1 copo de suco de cenoura com morango.
2 • sanduíche de pão integral com 1 col. (sopa) de cream cheese light, ½ mamão papaia com 1 col.(sopa) de granola e 1 col. (sobremesa) de óleo de coco extravirgem.
3 • 1 pão francês integral na chapa e 1 copo de leite de soja batido com morangos e 1 col. (sopa) de farelo de aveia.
4 •1 copo de suco verde, 1 banana amassada com 1 col. (sopa) de farinha de linhaça e 1 col. (chá) de canela em pó.

Fonte: Revista Women’s Health

 

Anúncios

Melância!

[melancia.jpg]Sim, eu não a chamo de melancia, e sim de melância. Sei lá porque, só parece mais divertido…

Mas enfim. Adoro melancia porque:

*Refresca

*Enche a barriga ( para nós gulosas de plantão é muito bom sentir a barriga cheia! )

*Sacia a fome.

* Diminui a retenção de líquidos, além de hidratar, o que resulta em uma pele bonita e transito intestinal tipo ‘reloginho’.

*Possui muitos minerais e o mais importante para a dieta: NÃO ENGORDA! Claro que se você comer uma melancia por dia pode acabar tendo desagradáveis surpresas, mas em média uma fatia de 100g de melancia possui cerca de 40 Kcal. Ou seja, pegue uma melancia de 10kg, divida em 10 fatias e você terá 100g por fatia. Uma melancia inteira de 10kg tem cerca de 400kcal. E é melancia pra mais de metro heim!

* Excelente para o verão e mais barata nessa época também.

 

 

 

10 dicas para eliminar os vilões da DIETA!

Conheça os alimentos que contribuem para a formação da gordura abdominal e tente evitá-los:

Alimentos com gordura trans.
Apesar da campanha para que ela desapareça das prateleiras, ainda há alguns produtos que a usam em sua composição. É o tipo de ácido graxo que vai diretamente para a cintura.


 Refrigerantes.
Um copo contém quatro colheres de sopa de açúcar. “Isso faz com que a glicemia suba rapidamente, gerando mais energia do que o corpo é capaz de utilizar ao mesmo tempo. O excesso dessa energia irá se transformar em triglicerídeos e posteriormente em gordura abdominal”, explica a nutricionista Inty Davidson, de São Paulo.


Bebidas alcoólicas.
As piores são as destiladas, que têm uma alta dosagem alcoólica, o que aumenta a glicemia.


Frituras de imersão, Como batata frita e bife À milanesa.
Esses alimentos ficam com quase o dobro de calorias em relação à versão assada ou cozida. Então, mesmo que você coma pouco, eles gerarão muitas calorias.


Pizza.
A massa é feita com muita farinha refinada, de digestão rápida, que também provoca elevação acima do normal da glicemia. Além disso, costuma ser acompanhada por queijo e molho, fontes de gorduras ruins .


Macarrão.
Normalmente comemos em quantidade maior do outro carboidrato, o arroz. Não é incomum consumir os dois na mesma refeição, e carboidrato em excesso é sinal de glicemia também exagerada e acúmulo de gordura na cintura..

Foto de mulher gorda emagrecendo

Doces.

Ricos em açúcar – que eleva a glicemia e a energia extra se acumula na cintura -, normalmente também vêm acompanhados de gordura.

 

Creme de leite.
É rico em gordura saturada, que eleva o colesterol e se acumula na cintura.


Gordura animal.
Bacon, carne vermelha, manteiga e queijos amarelos aumentam a adiposidade do corpo.


Leite.
Algumas pessoas têm intolerância à lactose, o que pode provocar a formação de gases. Nesse caso, portanto, não é gordura que se acumula na região do abdome.

Fonte: Viva Saúde

 

10 fatos sobre dietas!

1- Uma dieta planejada individualmente para criar um saldo negativo de 500 a 1000 Kcal por dia deve ser parte integrante de qualquer programa de perda de peso que objetive uma diminuição de 0,5 a 1,0 kg por semana.

2- Dietas de baixas calorias, com 1000 a 1200 Kcal por dia, reduzem em média 8% do peso corporal, em três a seis meses, com diminuição de gordura abdominal. Estudos de longo prazo mostram uma perda média de 4% em três a cinco anos.

3- Dietas de baixíssimas calorias, com 400 a 800 Kcal por dia, produzem perda de peso maior a curto prazo, em comparação às dietas de baixas calorias (1000 a 1200 kcal por dia ). Entretanto, a longo prazo, no período de um ano, a perda de peso é similar.

4- Dietas pobres em gorduras, sem redução do número total de calorias, não levam à perda de peso. Entretanto, reduzir a quantidade de gordura em uma dieta de baixas calorias é uma maneira prática de se reduzir a ingestão calórica e induzir a perda de peso. As gorduras são os macronutrientes que ofertam o maior número de calorias cada grama.

5- Dietas que contenham 1400 a 1500 Kcal por dia, independentemente da composição de macronutrientes (carboidratos, proteínas e gorduras), também levam à perda de peso.

6- Um contato freqüente entre o médico e o paciente e o tempo dispendido com o paciente auxiliam muito a perda e a manutenção do peso perdido.

7- Uma revisão de mais de 700 estudos, realizados de 1972 a 1999, sobre os efeitos de diferentes dietas na perda de peso, mostrou que programas de dieta com duração de 15 semanas ocasionaram uma perda média de peso de 11 kg, e manutenção de 6,6 ± 0,5 kg do peso perdido após um ano.

8- Estes e vários outros estudos subseqüentes mostram que os pacientes obesos perdem peso quando mantidos em uma dieta restrita, mas que sua perda de peso tende a não se manter em longo prazo.

9- Grande porcentagem dos pacientes recuperam o peso perdido: 50% dos pacientes recuperam o peso pré-tratamento em 12 meses e a grande maioria recupera o peso em cinco anos, apenas 11% mantêm uma perda de 5 kg ou mais.

10- Algumas dietas de emagrecimento são nutricionalmente corretas e consistentes com bons hábitos alimentares. Outras se apresentam como dietas milagrosas, que encorajam práticas irracionais, algumas vezes perigosas, e que passam a ser feitas pela população, devido à promoção da mídia, ou porque celebridades as estão fazendo ou porque são consideradas novidade. Não há nenhuma evidência científica de longo prazo sobre a efetividade de nenhuma destas dietas, se não houver um balanço energético negativo (ingestão de calorias inferior aos gastos calóricos diários).

 

Fonte:Projeto Diretrizes- AMB.